É o mercado que vai ditar as regras da Internet das Coisas

Os pesquisadores contribuirão de forma determinante mas, em última instância, são as empresas que construirão as soluções, as colocarão no mercado e serão responsáveis pela gestão de todo o ciclo de vida destes novos sistemas a que chamamos Internet das Coisa (IoT, na sigla em inglês). “Mas é necessário formar recursos humanos com capacidade de inovação para poder ver como a IoT pode contribuir para uma sociedade mais ágil, humana e democrática”, diz Pedro Veiga pesquisador, acadêmico e catedrático do Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.